Gilson Soares lança coletânea de poemas na Biblioteca Estadual do ES

13:04 h

O cotidiano, o tangível e a sensibilidade são os pontos centrais do novo livro de Gilson Soares, com o título “55”, que será lançado nesta quarta-feira (13), às 19 horas, na Biblioteca Pública do Espírito Santo, na Praia do Suá, em Vitória. Quinta publicação do autor, a obra apresenta como o amor pelas coisas e os seres evoca a poesia. No evento, o livro estará à venda por R$ 20, enquanto o seu último título, “Poesia de bolso: pequenos poemas pedestres” (2017), estará disponível por R$ 10. A entrada é franca.

Com a intenção de reconstruir sua trajetória literária, “55” é uma coletânea de poemas dos três primeiros livros do escritor: “Rosa dos Ventos” (1985); “Canção da meia-idade” (1997) e “Minério” (2014). “Poesia de bolso: pequenos poemas pedestres” ficou de fora por ser recente e vinculado a um projeto de viagens.

A seleção foi feita pelo próprio Gilson, juntamente com Reinaldo Santos Neves, seu amigo e grande nome para a literatura do Estado. O resultado desse processo que deu origem ao título da obra, tendo em vista a quantidade de poemas escolhidos. Além disso, de acordo com Gilson Soares, alguns acasos engraçados se revelaram após a seleção e certificaram a escolha, como o fato do escritor ter nascido em Ecoporanga, em 1955, no mesmo ano em que a cidade se emancipava.

O estilo de Gilson, segundo o artista plástico e crítico Gilbert Chaudanne, que assina a orelha de “55”, é “uma poesia do ser que aqui está. Por isso não é metafísico, é algo tangível, cotidiano com, entretanto, uma presença ontológica: a do tempo incompreensível que passa”, diz o literato. “A estranheza de estar no mundo está ali”, completa.

Entre versos que falam das banalidades, como em “Quando chovia lá”, que descreve uma cidade barrenta devido à chuva, Gilson se entrega a experiências de contemplação e emoção. Em “Num olhar”, “Regência” e “Doce Itapemirim”, por exemplo, é resgatada a paixão por viagens e cenários do Espírito Santo. Em “Profissão”, ele se abre ao diálogo com a arte: “Quero ter ainda, um dia,/a força, a valentia/de só prestar serventia/a você, Dona Poesia”

Publicada pela Editora Cândida, o livro é o número 16 da série Estação Capixaba, reunindo autores como Paulo Roberto Sodré, João Carlos Simonetti, Rogério Coimbra, Oscar Gama Filho, Luiz Guilherme Santos Neves, Arlindo Vilaschi e Tércio Ribeiro de Moraes, entre outros.

Sobre o autor

Gilson Soares nasceu em Ecoporanga-ES, em 1955. Publicou cinco livros: Rosa-dos-ventos (poesia, FCAA/Ufes, Coleção Letras Capixabas, vol. 18, 1985); Canção da meia-idade (poesia, Edit, 1997); Minério (poesia, Cousa/Edição do autor, 2014);Poesia de bolso, pequenos poemas pedestres (poesia, Cândida Editora/Estação Capixaba, 2017) e o mais novo, 55 (poesia, Cândida Editora/Estação Capixaba, 2018).

Tem poemas incluídos em Daqui Mesmo – 34 poetas, seleção de Reinaldo Santos Neves, suplemento especial Nosso Livro, jornal A Gazeta, 1995. É um dos criadores e organizadores do Festival Sérgio Sampaio, que, em 2018, chegou à sua 12ª edição. Além disso, mantém a página Com a magrela na estrada, no site Estação Capixaba, onde relata, em crônicas, as suas viagens ciclísticas pelo Espírito Santo e pelo Brasil.

Serviço:

Lançamento do livro “55”, de Gilson Soares
Data: 13 de fevereiro de 2019 (quarta-feira)
Horário: 19h
Local: Biblioteca Pública do Espírito Santo. Av. João Batista Parra, 165, Praia do Suá, Vitória-ES.
Telefone: (27) 3137-9351
Entrada franca.

Esta noticia já foi lida219 vezes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *