ES é o 2º Estado mais afetado por decisão que beneficiou Flávio Bolsonaro

Levantamento do MPF mostra que das 700 investigações e ações penais paralisadas em todo o país, 95 estão no Espírito Santo. Estudo leva em conta apenas crimes federais.

As investigações de crimes federais no Espírito Santo estão entre as mais afetadas, comparadas com as de todo o Brasil, pela decisão do ministro Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal (STF), de barrar apurações baseadas em dados fiscais e bancários compartilhados por órgãos de controle, como a Receita Federal e o antigo Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf). A determinação aconteceu após requerimento do senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), filho do presidente Jair Bolsonaro (PSL), que queria suspender apurações a seu respeito.

Um levantamento do Ministério Público Federal (MPF) identificou 700 investigações e ações penais paralisadas por consequência da decisão de Toffoli, tomada em julho. No Espírito Santo, 95 foram afetadas. Por Estados, o número só é menor do que de investigações travadas em São Paulo, 178.

Procurada por A Gazeta, a Procuradoria Geral da República explicou que as investigações são sigilosas e não poderia dar detalhes sobre as 95 apuradas bloqueadas no Espírito Santo. Contudo, informou que elas dizem respeito a potenciais crimes contra a ordem tributária, contrabando ou descaminho, contra o patrimônio, sonegação de contribuição previdenciária, falsidade ideológica, uso de documento falso, formação de quadrilha, estelionato e outros.

As apurações nos demais Estados envolvem, também, corrupção ativa e passiva, crimes contra a lei de licitações, tráfico de drogas e outros. A maior fatia, no entanto, diz respeito a crimes contra a ordem tributária. Só deste tipo, como sonegação e lavagem de dinheiro, foram 307. O levantamento é da 2ª Câmara de Coordenação e Revisão do MPF, com dados atualizados até a última quinta-feira (24).

FLÁVIO BOLSONARO

O pedido do senador Flávio Bolsonaro que levou à decisão de Toffoli teve como objetivo suspender investigações do Ministério Público do Rio de Janeiro (MPE-RJ) às quais estava sendo submetido. O órgão investigava a movimentação considerada atípica de R$ 1,2 milhão nas contas de Fabrício Queiroz, um ex-assessor de Flávio na Assembleia do Rio. A suspensão determinada pelo ministro, em julho, impactou todas as investigações criminais pelo país.

A apuração envolvendo Queiroz e Flávio começou com o compartilhamento de dados do Coaf sobre movimentações bancárias. O argumento da defesa, acolhido por Toffoli, foi o de que esses tipos de dados só podem ser compartilhados por órgãos de controle para órgãos de investigação com autorização judicial.

Com informações Gazeta Online.

Esta noticia já foi lida352 vezes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *