Unidade prisional participa de ação voluntária para ajudar projeto social

A Penitenciária Estadual de Vila Velha III (PEVVIII), no Xuri, no Esprito Santo, está engajada em contribuir com as ações de solidariedade do Instituto Araújo, projeto social do bairro Flexal I,em Cariacica. Mesas utilizados nas salas de aula do projeto passarão por uma reforma executada por internos da Marcenaria Jequitibá, que funciona dentro da unidade prisional.
Ao todo, 21 tampos de mesas, dois paineis em madeira que serão usados como divisórias nas salas de aula, além de uma mesa de escritório e dois sofás feitos com paletes serão confeccionados na marcenaria. As mesas também receberão pintura e terão a estrutura em ferro recuperada. O trabalho de reforma teve início nesta semana e será concluído ainda este mês.

A idealizadora do projeto social, Ozeti Delourdes Araujo, conta que conheceu o trabalho desenvolvido na PEVVIII após visitar o irmão, que cumpre pena no complexo do Xuri. “O projeto vive de doações e parcerias. Tudo que realizamos no Instituto é com muita simplicidade, mas feito com muito amor. Conheci o trabalho da marcenaria porque tenho um irmão que cumpre pena no Xuri. Foi quando resolvi buscar essa ajuda para a reforma das mesas, que já estavam bastante danificadas, e fui muito bem recebida. Acreditamos na transformação das pessoas, assim como também acreditamos que os internos que cumprem pena na unidade podem voltar para o seio de suas famílias de forma diferente. Eles são capazes de mudar e são vencedores”, ressalta.

O diretor adjunto da PEVVIII, Dioclécio dos Reis, diz que se emocionou ao conhecer o projeto desenvolvido em Flexal. “Assim que conhecemos a ação social realizada em uma comunidade tão carente, não pensamos duas vezes em ajudar. Doamos o material da reforma, como os tampos em madeira, e os internos abraçaram a causa com a execução do projeto. Eles sentem-se úteis em contribuir com uma ação tão simples, mas que representa muito para a comunidade”, explica Dioclécio que ressalta também a colaboração da servidora Pâmella Vitória Moreno dos Santos, psicóloga do sistema prisional, que contribuiu com as doações.

Nove internos da Marcenaria Jequitibá serão responsáveis pela reforma. Com atividade laboral, eles têm direito ao benefício da remição da pena, previsto na Lei de Execução Penal. Isso significa que a cada três dias de trabalho, é possível reduzir um dia da sentença.

Sobre o Instituto Araujo

O Instituto Araujo promove ações de solidariedade no bairro Flexal I há 30 anos. A organização atende uma média de mil pessoas por ano e conta com 22 voluntários que desenvolvem cursos profissionalizantes, entre eles, curso de barbeiro, garçom, manicure e pedicure, confeitaria, entre outros. Além disso, atividades esportivas e de lazer, como a capoeira, aulas de violão e atendimentos de saúde gratuitos também são realizados no local. O projeto sobrevive de doações e parcerias.

Ozeti Delourdes conta como se deu o início do projeto. “Fomos um dos primeiros moradores do bairro, em uma época em que o local não tinha água nem luz e as pessoas nos viam como uma espécie de para-raios. Se faltava luz ou comida, nossa casa era o ponto de apoio. Tanto que, desde os 11 anos de idade, eu sempre me envolvi em movimentos voltados para a comunidade e nunca mais parei. Sempre senti vontade de fazer algo diferente para mudar realidades. O projeto também cativa as crianças com brincadeiras, palestras e oportunidades. É uma maneira de ocupar o tempo ocioso e desviar a atenção para coisas boas, longe da criminalidade”, diz

Esta noticia já foi lida321 vezes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *