Venezuela: EUA impõem sanções a militares por não deixarem ajuda entrar

14:55hs

Os Estados Unidos impuseram nesta sexta-feira (1º) sanções econômicas a vários altos responsáveis das forças armadas e de segurança da Venezuela próximos do Presidente contestado por Washington, Nicolás Maduro, por obstrução de ajuda humanitária destinada aos venezuelanos.

“Estamos sancionando membros das forças de segurança de Maduro em resposta à violência repreensível, às mortes trágicas e à destruição pelo fogo inconcebível de alimentos e de medicamentos destinados aos venezuelanos que estão doentes e com fome”, disse o secretário do Tesouro norte-americano, Steven Mnuchin, em um comunicado.

As novas sanções de Washington abrangem um total de seis altos responsáveis das forças armadas e de segurança venezuelanas: os generais Richard Jesús López Vargas, Jesús María Mantilla Oliveros, Alberto Mirtiliano Bermúdez Valderrey e José Leonardo Norono Torres; o comissário-chefe das Forças de Ações Especiais (FAES), José Miguel Domínguez Ramírez, e o diretor da Polícia Nacional Bolivariana (PNB), Cristhiam Abelardo Morales Zambrano.

 

O Departamento do Tesouro norte-americano frisou que o bloqueio “de caminhões e navios carregados de ajuda humanitária” representa “o mais recente exemplo da instrumentalização do regime ilegítimo (de Maduro) da entrega de alimentos e de bens essenciais para controlar os venezuelanos vulneráveis”.

A administração norte-americana liderada pelo presidente Donald Trump, que contesta Nicolás Maduro e reconhece o opositor Juan Guaidó como presidente interino venezuelano, já afirmou que não descarta nenhuma opção, inclusive militar, para lidar com a crise venezuelana.

E o secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, já chegou a declarar que “os dias de Maduro estão contados”.

 

A entrada de ajuda humanitária, especialmente os bens fornecidos pelos Estados Unidos, no território venezuelano tem gerado nos últimos dias um braço-de-ferro entre Juan Guaidó e Nicolás Maduro e situações de grande tensão nas fronteiras com a Colômbia e o Brasil que provocaram, segundo os últimos dados oficiais, pelo menos cinco mortos.

A crise política na Venezuela se agravou em 23 de janeiro, quando o presidente da Assembleia Nacional, Juan Guaidó, se autoproclamou Presidente da República interino e declarou que assumia os poderes executivos de Nicolás Maduro.

Guaidó, 35 anos, contou com o apoio dos Estados Unidos e prometeu formar um governo de transição e organizar eleições livres.

Nicolás Maduro, 56 anos, no poder desde 2013, denunciou a iniciativa do presidente do parlamento como uma tentativa de golpe de Estado liderada pelos Estados Unidos.

A maioria dos países da União Europeia reconheceu Guaidó como presidente interino encarregado de organizar eleições livres e transparentes.

Os mais recentes dados das Nações Unidas estimam que o número atual de refugiados e migrantes da Venezuela em todo o mundo situa-se nos 3,4 milhões.

Só no ano passado, em média, cerca de 5.000 pessoas teriam deixado diariamente a Venezuela para procurar proteção ou melhores condições de vida. Com informações da Lusa.

Esta noticia já foi lida64 vezes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *