Nova campanha de prevenção a Aids no Carnaval não cita gays

20:35 h

Apesar do foco em homens jovens, a nova campanha de prevenção do HIV divulgada nesta sexta-feira (22) pelo Ministério da Saúde deixa de citar o público gay, um dos grupos considerados mais vulneráveis à exposição pelo vírus.

Até então, esse grupo costumava ser abordado em campanhas anteriores, seja em mensagens, personagens ou imagens com uso de cores em referência à bandeira LGBT no meio da festa de Carnaval.

A festa, aliás, quase não aparece nos primeiros materiais divulgados pela pasta. Segundo o ministério, a escolha foi por usar peças mais descoladas do ambiente da folia e que abordassem os homens de forma geral de 15 a 39 anos.

O governo Jair Bolsonaro (PSL) justifica a escolha a partir de dados que mostram que 73% das novas infecções pelo HIV ocorrem entre homens. Dentro desse grupo, 75% são nessa faixa etária.

Dados do último Boletim de HIV/Aids, no entanto, apontam que 53% dos novos casos de infecção por HIV em homens ocorreram entre homossexuais e 9,4% em bissexuais. Os números, porém, não foram citados pelo ministério em apresentação da campanha nesta sexta em Salvador, a qual foi focada apenas em dados de gênero e faixas etárias.

A única menção a gays foi feita pelo ministro Luiz Henrique Mandetta, e em discurso de forma breve. “Não importa a orientação sexual, mas o comportamento de risco que pode fazer do nosso maior Carnaval uma memória triste”, afirmou.

A falta de referência ao grupo na nova campanha gerou incômodo em entidades de luta contra a aids e representantes de grupos LGBT.

“Na saúde, temos que trabalhar com dados epidemiológicos, vendo onde a epidemia está mais forte. E ainda está infelizmente entre gays jovens. Não ter uma campanha direcionada é complicado. Temos que alertar a população em geral, mas citar a população mais atingida. Esse é o princípio da saúde no Brasil”, afirma Toni Reis, diretor-presidente da Aliança Nacional LGBTI+.

Para Salvador Correa, coordenador de treinamento e capacitação da Abia (Associação Brasileira Interdisciplinar de Aids), a escolha do slogan também abre margem para dúvidas sobre a eficácia da estratégia. “Temos que refletir em que medida esse slogan ‘Pare, pense e use’ faz a pessoa usar de fato o preservativo. Soa uma campanha um pouco distante de sexo e da sexualidade, que é de fato a forma como as pessoas de infectam. Parece que querem moralizar a sexualidade, e isso é um ponto negativo”, afirma.

Correa lembra ainda que, desde a década de 1990, as campanhas contra o HIV abordam a “diversidade brasileira e sexual”. Ele questiona também a declaração do ministro de que “não importa a orientação sexual, mas o comportamento de risco”.

“Isso demonstra desconhecimento da trajetória da epidemia. O Brasil é um país com epidemia concentrada em grupos específicos, diferente de outros em que é generalizada. A resposta à epidemia passa pela valorização dos direitos humanos das pessoas mais afetadas”.

Além da falta de referências ao público gay, a apresentação da nova campanha à imprensa também deixou de fazer menções à estratégia conhecida como “prevenção combinada”, a qual envolve outros métodos de prevenção ao HIV, como a Prep (profilaxia pré-exposição, volta a grupos mais vulneráveis ao HIV) e a PEP (profilaxia pós-exposição, para casos em que pode ter havido contato com o vírus após relação desprotegida, por exemplo).

Preservativos femininos, também estimulados em campanhas anteriores, ainda que em menor grau em relação aos masculinos, também deixaram de aparecer na nova estratégia.

JENIFER

Com foco no slogan “Pare, pense e use camisinha”, a campanha deste ano terá como embaixador o cantor Gabriel Diniz, intérprete do hit “Jenifer”. Ao todo, serão distribuídos 129 milhões de preservativos no país e 9,9 milhões de gel lubrificante.

Em discurso, o ministro classificou a decisão por atrelar a campanha ao hit como “pertinente” ao retratar “uma geração que tem novos mecanismos de aproximação” –em referência a aplicativos como o Tinder. “Tenho certeza que a Jenifer pode até fazer umas paradas, mas pede sempre para usar a camisinha”, afirmou.

Ainda segundo o ministério, a escolha pela música que brinca com o nome Jenifer ocorreu para indicar tanto “ele” ou “ela”. “Não importa se seu nome é Jenifer, João, Jéssica ou Jorge, use camisinha”, diz um dos slogans da campanha.

Embora a pasta tenha feito um evento apenas para lançar a nova estratégia, nem todos os materiais dela própria foram divulgados. Ao contrário dos anos anteriores, vídeos e áudios das peças não foram disponibilizados no encontro. Segundo o governo, o material será lançado apenas no dia 27 deste mês por meio das redes sociais. A pasta, porém, confirma a falta de menção direta a gays, assim como consta nos primeiros materiais.

Em entrevista antes da posse, Mandetta já havia defendido que o governo aumente as campanhas de prevenção ao HIV, “mas sem ofender as famílias”. A declaração gerou críticas de entidades.

Questionado nesta sexta por jornalistas se a nova campanha visa evitar ofensas à família, o ministro concordou. Mas minimizou as críticas. “Quando falamos em respeitar as famílias, é respeitar todo mundo, à sociedade como um todo. Família que eu falo é a família brasileira”, disse.

Para Mandetta, há uma “questão cultural” que faz com que homens se previnam menos do que as mulheres -as quais teriam força em estimular a prevenção “dentro do lar”.

“O homem com essa cultura de ser a fortaleza, de ser o machão, de ‘não fico doente’, ‘não vou ao médico’. E a mulher sempre mais inteligente, cuidadosa, cuidando da prole, da família. Muitas vezes é a mulher que leva o homem na unidade de saúde. Sabemos da força da mulher quando o quesito saúde está na pauta e nas atitudes do lar”, disse. Com informações da Folhapress.

Esta noticia já foi lida155 vezes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *