Roberto Justus justifica áudio vazado: ‘Vamos isolar os idosos e as pessoas que têm problemas de saúde e vamos liberar o resto’

Justus defendeu seu ponto de vista e voltou a afirmar que a crise econômica será muito maior se as pessoas continuarem em casa deixando seus trabalhos

(FOLHA VITORIA) – O empresário Roberto Justus gravou um vídeo e divulgou em sua rede social para esclarecer sobre a polêmica do áudio que ele teria enviado em um grupo de amigos e que teria vazado. Justus defendeu seu ponto de vista e voltou a afirmar que a crise econômica será muito maior, se as pessoas continuarem em casa deixando seus trabalhos.

“Quero dizer que estamos dando um tiro de canhão para matar um pássaro. Estamos exagerando na dose. Eu nunca disse que não tenhamos que tomar cuidado, mas se a gente analisar, estamos parando a economia brasileira e destruindo o que vinha se recuperando. E vem de anos de recessão, de problemas e quedas do PIB e agora vamos conseguir destruir. Com isso, acontece um problema social sem precedentes. Vocês sabem que muita gente se mata por problemas econômicos. A tristeza de uma pessoa não poder alimentar seus filhos, perder seu emprego”.

Justus ainda afirmou que as pessoas não vão morrer do vírus, vão morrer de fome:

“Você sabiam que 15 pessoas entre adultos e crianças morrem por problemas ligados à desnutrição no Brasil? Todos os dias, 15 pessoas; e eu não vi o Brasil parar por isso. Ou seja, em dois dias morre mais gente ligada à desnutrição, principalmente nos estados do Nordeste, do que morreu com o coronavírus. É triste, e o que eu falei pro Mion é o seguinte, eu não sou contra os cuidados do corona, eu estou aqui isolado, eu tenho mais de 60 anos, eu estou no grupo de risco, ok! Eu falo de cuidado ao nossos velhinhos, aos nossos idosos, que são pessoas que já tinham alguma doença antes.. que tem imunidade baixa.. Mas mesmo entre nossos idosos entre 85% apenas 15% teve problemas graves, é triste mas não justifica uma reação tão desacerbada, que destrua um país, que vai levar anos para recuperar.. Você resolve um problema e cria outro muito maior.”

Justus também usou o exemplo de mortes causadas por acidente de trânsito e comparou-o ao número de óbitos causados pelo coronavírus. Afirmou que, em um ranking, o corona estaria bem longe de ser um motivo de preocupação, pois existem outras coisas que matam muito mais do que o vírus.

O empresário deixou claro não ser contra os cuidados necessários para prevenir a doença, desde que não seja de forma exagerada.

“Estou tentando minimizar essa histeria que se criou, esse pânico que se cria quando o Mion e outras pessoas fazem esse tipo de vídeo, mesmo que com a melhor das intenções. São gente boníssima, mas às vezes não está tão bem informada com os dados. Não se assustem tanto. Não ter aglomerações? Ok! Não ter jogos de futebol, as grandes festas, shows? Ok! Não é pra botar muita gente junta. Mas vamos isolar nossos idosos e as pessoas que têm problemas de saúde para que não se contaminem e vamos liberar o resto. Porque o saudável, quando pega o vírus, para ele é uma gripe, não é uma coisa tão grave pra quem é saudável e tem boa imunidade. E ele ainda vai criar anticorpos”, pontuou.

Ainda segundo Justus, as coisas precisam voltar ao normal o quanto antes para evitar um drama social ainda maior.

 “Se nós durássemos com esse fechamento da nossa economia e essa paralisação do nosso país por apenas 20 dias, no máximo 30, ok. Cortamos o contato e voltamos. As crianças têm que voltar pra escola, as pessoas têm que voltar ao trabalho, a economia tem que rodar, senão o drama vai ser infinitamente maior. É só olhar os números e pensar um pouco que vocês vão concordar comigo. A mídia e os governantes exageram um pouco. Eles não estão fazendo um trabalho de má intenção, mas exagerando porque querem fazer o politicamente correto. Mas o politicamente correto nem sempre resolve o problema. Pelo contrário. Às vezes atrapalha.”

Veja o vídeo completo do empresário justificando o áudio vazado:

Esta noticia já foi lida830 vezes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *