Policiais civis de Guarapari ES prendem suspeito de desbloquear celulares roubados e furtados

20:43 h

A equipe da Delegacia Especializada de Investigações Criminais (Deic) de Guarapari cumpriu o mandado de busca e apreensão de T.C.S., de 29 anos. Ele é suspeito de desbloquear celulares resultantes de furto e roubo. Cerca de 600 aparelhos foram recolhidos.

A prisão foi efetuada nessa terça-feira (21), no bairro Muquiçaba.  “O objetivo da ação foi combater os crimes secundários como receptação qualificada, praticados por empresas comerciais clandestinas ou irregulares. Dos aparelhos recuperados, seis estavam com restrições de furto e roubo”, afirmou o responsável pela Deic, delegado Guilherme Eugênio.

Ele explicou que as investigações começaram há um mês, quando um celular roubado foi recuperado com um adolescente. “Ele disse que havia adquirido o aparelho em uma loja e mostrou um termo de garantia. A partir disso, nós pedimos a busca e apreensão no estabelecimento. Antes de ir ao local, nós ligamos para o suspeito perguntando sobre o que era necessário para desbloquear o suposto celular roubado e o detido alegou que cobrava R$ 100 pelo serviço e não solicitou nenhum documento”, disse.

O delegado contou que T.C.S. já estava sendo investigado pelo mesmo crime, mas quando compareceu a delegacia alegou que não tinha como saber que o produto era roubado. “Ele trabalha há três anos com este serviço e iniciou os atendimentos em casa. Em relação à loja, ela existia há um ano. Além de comprar os aparelhos, ele também recebia celulares para concertos e trocas. O que mais nos motivou para a prisão do investigado, foi o fato dele desbloqueia celulares com restrição de furto e roubo”, destacou Guilherme Eugênio.

O responsável pelo caso destacou a importância do registro do boletim de ocorrência no caso do furtou ou roubo de celulares. “É fundamental que seja informado o Imei do aparelho, que é um código que identifica aquele celular. Ele pode ser obtido com a própria operadora, em uma etiqueta colada na caixa do aparelho ou por meio dos números “*#06#”, que devem ser discados no celular como ligação. As ocorrências realizadas sem esse Imei não viabilizam a identificação da vítima e nem a constatação de que o aparelho é ou não roubado. Mas há muitas pessoas que não fazem o registro da ocorrência e informa somente a operadora que o telefone foi roubado, furtado ou que tenha acontecido a perda”, explicou.

No caso dos aparelhos cuja baterias não podem ser retiradas, o delegado esclarece que o Imei pode ser encontrado na peça plástica que comporta o chip. “Para ressaltar, os dois pontos importantes são: pessoas que queiram comprar um celular usado devem pesquisar o site da Anatel e já as que fazem o registro de furto e roubo de celulares devem informar o Imei na ocorrência”, finalizou.

T.C.S. foi indiciado por receptação qualificada e conduzido para o Centro de Detenção Provisória (CDP) de Guarapari.

Esta noticia já foi lida35 vezes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *