Bolsonaro: Não estou preocupado com reeleição, com trabalho ela vem

Em evento o presidente voltou a defender a mineração em terras indígenas, além do uso dessas terras para cultivo, arrendamento e até construção de hidrelétricas.

Em discurso proferido na inauguração de um trecho pavimentado da BR-163, o presidente Jair Bolsonaro voltou a dizer que a reeleição não é fonte de preocupação para ele. Na convicção de Bolsonaro, a recondução ao cargo é “algo natural”, advinda do trabalho.

“Não estou preocupado com reeleição. A reeleição é algo natural, se você trabalhar ela vem. E não é com propaganda também. Fiz minha campanha com aproximadamente R$ 2 milhões que vieram através de vaquinha”, disse Bolsonaro, que aproveitou a situação para dizer que ele “não precisa do fundão”, em referência ao Fundo Especial de Financiamento de Campanha (FEFC).

O presidente deixou claro que o fundão é uma demanda que vem do Congresso. “Quis o Parlamento assim. Paciência, vamos seguir o nosso destino”, falou Bolsonaro.

Terras indígenas

O presidente voltou a defender a mineração em terras indígenas, além do uso dessas terras para cultivo, arrendamento e até construção de hidrelétricas. “Nós queremos integrar. Não admitimos aquele que querem que o índio permaneça como homem pré-histórico, preso em seu território”, defendeu Bolsonaro.

“Apresentamos um projeto que não quer apenas dar direito a que se garimpe em terra indígena. Nós queremos que o índio tenha o mesmo direito que seu irmão ao lado, fazendeiro, tem, de garimpar, cultivar, arrendar sua terra, se for o caso construir PCH (Pequena Central Hidrelétrica), construir hidrelétricas. O índio é nosso irmão e estamos buscando integrá-lo à sociedade”, explicou o presidente.

O ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, foi elogiado pelo presidente da República, que acenou também para o Congresso Nacional. “O parlamento vem mudando também”, disse Bolsonaro.

Aplaudido pela audiência, Bolsonaro demonstrou orgulho de ter interrompido a demarcação de terras indígenas e também de quilombos.

Segundo ele, tais demarcações são”inadmissíveis”. Bolsonaro disse se sensibilizar com produtores rurais que tinham a posse de suas terras questionadas na Justiça durante processos de demarcações de terras indígenas. “Isso não tem mais”, garantiu.

‘Amazônia é nossa!’

Bolsonaro também voltou a citar a Amazônia como pauta sensível à soberania do Brasil. “A Amazônia é nossa”, bradou a um público repleto de militares. Sem citar nomes, o presidente se disse atacado em 2019 pelo “chefe de um grande Estado da Europa”, em referência ao presidente da França, Emmanuel Macron.

O brasileiro disse que seu governo, ao suspender demarcações de terras, interrompeu “uma política totalmente equivocada, que atendia os interesses de outros países”.

Esta noticia já foi lida725 vezes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *