Vai começar a temporada 2019 de turismo nas montanhas do Brasil

17:14 h

A temporada ideal para a prática de montanhismo no Brasil, que vai de maio a setembro, começa oficialmente no dia 27 de abril, com o festival anual Abertura da Temporada de Montanhismo (ATM), na Urca, Rio de Janeiro. O evento marca o começo do período mais adequado para o esporte no país e é aberto ao público, com programação envolvendo atividades ecológicas, educação ambiental, demonstrações de técnicas de escalada e resgate, apresentação de equipamentos, campeonato de escalada, cinema de montanha e ações de “montanhismo social”.

Além de montanhistas e escaladores, a ATM atrai simpatizantes das atividades ao ar livre e de conservação das montanhas brasileiras. O festival faz a divulgação da diversidade de montanhas existentes no Brasil no período em que as condições climáticas são ideais para a prática do esporte e turismo nas alturas. Segundo a Federação de Esportes de Montanha do Estado do Rio de Janeiro, o objetivo é celebrar a cultura do montanhismo através do uso turístico, recreativo e esportivo das montanhas.

Segundo o secretário nacional de Desenvolvimento e Competitividade do Turismo do MTur, Aluizer Malab, a diversidade de atrativos naturais no Brasil é um diferencial entre os destinos de natureza e aventura, no mundo. “São ativos que aumentam nosso potencial de atração de turistas estrangeiros e também de ampliação do turismo doméstico, dinamizando as economias locais de maneira sustentável. A temporada de montanhismo no Brasil é uma excelente oportunidade de promovermos a preservação do patrimônio natural por meio do turismo. Turismo e meio ambiente andam juntos”.

O turismo nas alturas requer disposição e aventura. O Morro da Urca, onde será realizado o evento de abertura da temporada, integra o Monumento Natural do Pão de Açúcar, é um dos pontos de escalada do Rio de Janeiro e também ponto de chegada ou de partida da Trilha Transcarioca. A travessia de 180 km interliga seis áreas protegidas dentro da cidade, como o Parque Nacional da Tijuca, o mais visitado do Brasil, onde está a estátua do Cristo Redentor. Na outra extremidade da caminhada fica o Parque Natural Municipal de Grumari.

EXPERIÊNCIAS – Quem sobe a Serra do Mar encontra no Parque Nacional da Serra dos Órgãos um dos melhores locais do Brasil para a prática de esportes de montanha, como escalada, caminhada e rapel. O cenário natural tem vistas deslumbrantes da majestosa cadeia de montanhas, além de cachoeiras, sítios históricos, fauna e flora abundante da Mata Atlântica. São mais de 200 quilômetros de trilhas, desde a trilha suspensa, acessível para cadeirantes, até a pesada Travessia Petrópolis-Teresópolis, com 30 Km de subidas e descidas pela parte alta das montanhas. Entre as escaladas, destacam-se o Dedo de Deus, com 1.692 metros de altitude, marco inicial da escalada no país desde 1912, e a Agulha do Diabo, uma das melhores escaladas em rocha do mundo.

“Foi uma das mais bonitas e melhores experiências de travessias que eu já fiz”, disse a blogueira Vivian Teles, que escreve sobre turismo e aventura. A carioca destacou que a vivência entre as montanhas propicia grandes aventuras para quem quer fugir do stress do dia a dia e se conectar com a natureza. “Definitivamente essa travessia deve fazer parte do currículo do montanhista brasileiro”, afirmou.

Localizado na Serra da Mantiqueira, na divisa entre os estados do Rio de Janeiro e Minas Gerais, próximo ao estado de São Paulo, o Parque Nacional do Itatiaia, criado em 1937, foi o primeiro parque do Brasil, sendo uma das áreas pioneiras do montanhismo. São diversas trilhas, travessias com abrigos de montanha entre as partes Alta e Baixa e opções de escaladas nas formações rochosas – entre elas, Camelo, Prateleiras e Altar. O parque abriga três dos 10 pontos mais altos do Brasil: o Pico das Agulhas Negras (2.791 m), o 5º mais alto do país, que é o ponto culminante do Itatiaia; o Morro do Couto (2.680 m), o 8º em altitude; e a Pedra do Sino de Itatiaia (2.670 m), que é o 9º pico mais alto.

A escalada das Agulhas Negras foi a experiência mais difícil para Ediceu Pereira, que já subiu oito das dez maiores montanhas do Brasil. Ele justificou que os picos da Neblina (2.995 m) e 31 de Março (2.974 m), o 1º e o 2º mais altos, ambos localizados no Parque Nacional do Pico da Neblina, no Amazonas, não estão abertos para visitação. “Já a trilha mais bela que eu fiz foi a do Parque Nacional do Monte Roraima, durante sete dias. A paisagem da região e a magia do local são únicas”, disse o paulistano ao destacar a beleza da 7ª montanha mais elevada do Brasil, uma “mesa” com 2.734 metros de altitude, localizada no extremo norte de Roraima e marco divisor da tríplice fronteira entre Brasil, Venezuela e Guiana.

No Parque Nacional do Caparaó, entre Minas Gerais e Espírito Santo, ficam os picos da Bandeira (2.891 m) e Cristal (2.769 m), o 3º e 6º em altitude. Além das trilhas com abrigos noturnos, os visitantes podem se deliciar com banhos em cachoeiras e piscinas naturais e observar visuais deslumbrantes da Serra do Caparaó e região, com belos espetáculos no alvorecer e no pôr do sol acima das nuvens. Completam a lista do montanhista a Pedra da Mina (2.798 m), o 4º pico em altitude, na Serra da Mantiqueira, entre São Paulo e Minas Gerais; e o Pico Três Estados (2.665 m), o 10º mais alto, na mesma região, entre Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo.

SEGURANÇA – Montanhismo é uma atividade de risco, e os manuais e guias impressos ou digitais não substituem instrução e supervisão profissional. Há, no entanto, atividades com todos os níveis de dificuldade – desde caminhadas de contemplação até escalada de montanhas. Se você deseja praticar alguma atividade mais radical, procure os condutores ou guias de turismo de aventura credenciados para os percursos em todo o Brasil ou profissionais certificados pela Confederação Brasileira de Montanhismo e Escalada.

Esta noticia já foi lida55 vezes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *